Ministro do STF nega fatiamento da votação de denúncia contra Temer e ministros

Marco Aurélio afirma que a forma de votação tem que ser definida pela Câmara e que seria uma interferência do Poder Judiciário no Poder Legislativo

A oposição ao governo Temer na Câmara dos Deputados teve novas derrotas na tentativa de desmembrar a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Os três são acusados de organização criminosa para cobrança de propina. Contra Temer ainda existe a acusação de obstrução de Justiça.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio, negou pedido do vice-líder do PCdoB na Câmara, deputado Rubens Pereira Júnior, para determinar a separação de cada denúncia. O ministro afirmou, na decisão, que a forma de votação tem que ser definida pela Câmara. O argumento é que seria uma interferência do Poder Judiciário no Poder Legislativo.

A oposição defende o fatiamento da denúncia para que os deputados possam votar analisando a conduta dos acusados individualmente. O deputado Alessandro Molon, da Rede, já tinha feito o pedido na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, mas o fatiamento foi negado.

O parecer do relator Bonifácio de Andrada, do PSDB, recomenda que a Câmara não autorize a investigação de Temer e dos ministros. O texto foi aprovado em votação única para os três acusados e agora será votado no plenário da Câmara, também unificando as acusações.

O ministro do STF Marco Aurélio Melo ainda não decidiu sobre um último mandado para que a votação ocorra em separado.

Internet / EBC

Foto: Brasil 247