Incêndios no norte da Califórnia deixam 15 mortos e 30.000 desabrigados

Os incêndios voltam a devastar o norte da Califórnia. Depois de um verão muito mais tranquilo que o de 2016, que o governador Jerry Brown descreveu como um barril de pólvora, a região de Napa está em chamas. Vários focos surgiram durante o fim de semana e, nesta segunda-feira, foram registradas pelo menos 15 mortes, segundo a agência AFP. Há vários feridos nos condados de Napa e Sonoma, a zona vinícola ao norte da baía de San Francisco.

As chamas já destruíram mais de 1.500 casas, e mais de 30.000 pessoas estão desabrigadas, segundo dados oficiais do condado de Marín. Mais de 100 feridos receberam assistência médica, seja por queimaduras ou por inalação de fumaça. Os bombeiros lutam contra o calor, habitual nesta época de veranico, e o vento.

O governador Brown declarou o estado de emergência em Napa, Sonoma e no condado de Yuba, a fim de acelerar a ajuda e conseguir o envio de mais assistência à região. Segundo o comunicado oficial de seu gabinete, “é um incêndio sério, no qual estamos trabalhando”. Ele também pediu oficialmente ao presidente Donald Trump que declare o fogo como “grande desastre”, o que permitiria a mobilização de recursos federais.

Na noite de domingo, o cheiro de cinzas começou a pairar sobre San Francisco. Nesta segunda-feira, a recomendação aos moradores era não abrir as janelas, não levar animais e crianças para passear e, no caso de asmáticos, não pôr os pés na rua. A recomendação vale para toda a região da baía de San Francisco.

Oficialmente, há 14 focos de incêndio ativos. Ken Pimlott, chefe dos bombeiros locais, não escondia seu desespero: “Estamos sobrecarregados”. Na localidade de Santa Rosa, mais de 140 quilômetros quadrados já arderam, num foco que começou em Calistoga e atravessou os canyons da zona oeste.

Os enófilos e vinicultores da região já estão entre os mais afetados. Vários hotéis, como o Fountaingrove Inn e o Hilton de Sonoma, foram incendiados, assim como o Willi’s, um bar muito conhecido.

Se as chamas não forem contidas antes do anoitecer, a expectativa é de que mais habitantes da região – que tem um total de 175.000 moradores – sejam retirados das suas casas nesta terça-feira, para que suas vidas não sejam colocadas em risco. Grande parte da região se encontra sem luz elétrica, e as aulas foram suspensas.

Internet / ElPais

Foto: AP